Protocolos de cooperação técnico e científicos

Protocolos de cooperação técnico e científicos

ONTEM FOI UMA JORNADA DE IMPORTANCIA CAPITAL NO DESENVOLVER DO PROJETO DAVID MELGUEIRO QUER SABER MAIS? LEIA A NOTICIA QUE SE SEGUE…

A Associação David Melgueiro (ADM) o Instituto Superior Técnico (IST), a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC), o Marine and Environmental Sciences Centre (MARE) e o Gabinete de advogados Vieira de Almeida (VdA) acabam de assinar protocolos de cooperação técnico e científicos que assinalam um novo marco na exploração e investigação marítimas portuguesas.

O protocolo de cooperação técnica e científica estabelecido entre as instituições prevê o desenvolvimento de atividades de ensino e investigação nas áreas de interesse para a ADM, nomeadamente nas tecnologias com aplicação em áreas marinhas.

O impacto deste protocolo para as instituições é extremamente marcante uma vez que alia a capacidade técnica e científica ao apoio operacional e logístico da ADM que, inclusivamente, tem como um dos seus projetos centrais a construção e operação de um navio à vela de investigação com capacidade de navegação nas regiões polares, que recriará a viagem de David Melgueiro (1660/62).

O secretário de Estado do Mar, Professor Manuel Pinto de Abreu, referiu por sua vez que “este é um casamento feliz, que permitirá criar vontades comuns para podermos ser relevantes a nível mundial nesta área”.

Arlindo Oliveira, Presidente do IST, encara esta nova relação de cooperação como “a oportunidade de fazer a nossa parte no desenvolvimento da exploração do mar em Portugal”.

O Comandante Alcino Campos responsável da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental enquadrou a importância deste projeto como mais um instrumento para fazer Portugal regressar ao Mar.

Henrique Cabral Diretor do MARE sublinhou que o veleiro David Melgueiro pode vir a preencher um espaço ainda não preenchido pelos meios existentes em Portugal e que pelas suas características poderá efetuar missões especiais de enorme importância nas áreas onde Portugal ainda não se apresentou por mar como sendo as regiões Polares.

António Pascoal realçou a importância do projeto para a robótica marinha do futuro e que é o momento de unir forças que passem dos apoios em palavras às formas pragmáticas que concretizem o projeto.

Margarida Couto da partner da Vieira de Almeida e Associados, realçou que a Vieira de Almeida está com o projeto desde o primeiro minuto, pois no programa da VdA de Responsabilidade Social o projeto é considerado muito importante e convidou ainda todas as Universidades a aproveitarem a bolsa Pro bono da Vieira de Almeida.

O comandante João Fonseca Ribeiro Diretor Geral da Política do Mar, considerou que o projeto chegou ao ponto de não retorno. Para o Diretor Geral da Política do Mar o Ártico e as regiões polares têm que integrar as preocupações da ciência pela sua importância e pela necessidade de marcar uma presença forte do nosso Pais nessas regiões que já vai sendo feito mas sem apoio logístico nacional.

De acordo com o Comandante José Mesquita, coordenador da ADM, a assinatura deste protocolo que “entre outras coisas, permite ter um navio muito barato para que os jovens possam ter prática no mar de uma forma muito mais acessível”, representa também um “momento extremamente marcante quer na vida da Associação, quer na exploração marítima nacional”.

ONTEM FOI UMA JORNADA DE IMPORTANCIA CAPITAL NO DESENVOLVER DO PROJETO DAVID MELGUEIRO QUER SABER MAIS? LEIA A NOTICIA QUE SE SEGUE…

A Associação David Melgueiro (ADM) o Instituto Superior Técnico (IST), a Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC), o Marine and Environmental Sciences Centre (MARE) e o Gabinete de advogados Vieira de Almeida (VdA).

acabam de assinar protocolos de cooperação técnico e científicos que assinalam um novo marco na exploração e investigação marítimas portuguesas.
O protocolo de cooperação técnica e científica estabelecido entre as instituições prevê o desenvolvimento de atividades de ensino e investigação nas áreas de interesse para a ADM, nomeadamente nas tecnologias com aplicação em áreas marinhas.

O impacto deste protocolo para as instituições é extremamente marcante uma vez que alia a capacidade técnica e científica ao apoio operacional e logístico da ADM que, inclusivamente, tem como um dos seus projetos centrais a construção e operação de um navio à vela de investigação com capacidade de navegação nas regiões polares, que recriará a viagem de David Melgueiro (1660/62).

O secretário de Estado do Mar, Professor Manuel Pinto de Abreu, referiu por sua vez que “este é um casamento feliz, que permitirá criar vontades comuns para podermos ser relevantes a nível mundial nesta área”.

Arlindo Oliveira, Presidente do IST, encara esta nova relação de cooperação como “a oportunidade de fazer a nossa parte no desenvolvimento da exploração do mar em Portugal”.

O Comandante Alcino Campos responsável da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental enquadrou a importância deste projeto como mais um instrumento para fazer Portugal regressar ao Mar.

Henrique Cabral Diretor do MARE sublinhou que o veleiro David Melgueiro pode vir a preencher um espaço ainda não preenchido pelos meios existentes em Portugal e que pelas suas características poderá efetuar missões especiais de enorme importância nas áreas onde Portugal ainda não se apresentou por mar como sendo as regiões Polares.

António Pascoal realçou a importância do projeto para a robótica marinha do futuro e que é o momento de unir forças que passem dos apoios em palavras às formas pragmáticas que concretizem o projeto.

Margarida Couto da partner da Vieira de Almeida e Associados, realçou que a Vieira de Almeida está com o projeto desde o primeiro minuto, pois no programa da VdA de Responsabilidade Social o projeto é considerado muito importante e convidou ainda todas as Universidades a aproveitarem a bolsa Pro bono da Vieira de Almeida.

O comandante João Fonseca Ribeiro Diretor Geral da Política do Mar, considerou que o projeto chegou ao ponto de não retorno. Para o Diretor Geral da Política do Mar o Ártico e as regiões polares têm que integrar as preocupações da ciência pela sua importância e pela necessidade de marcar uma presença forte do nosso Pais nessas regiões que já vai sendo feito mas sem apoio logístico nacional.

De acordo com o Comandante José Mesquita, coordenador da ADM, a assinatura deste protocolo que “entre outras coisas, permite ter um navio muito barato para que os jovens possam ter prática no mar de uma forma muito mais acessível”, representa também um “momento extremamente marcante quer na vida da Associação, quer na exploração marítima nacional”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-color: #2562ba;background-size: initial;background-position: center center;background-attachment: initial;background-repeat: initial;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 200px;}